Carta Aberta de David North, presidente do Conselho Editorial do WSWS, ao CEO da Alphabet, Sundar Pichai

1 Agosto 2020

Publicado originalmente em 31 de julho de 2020

Sundar Pichai

Diretor-executivo

Alphabet

Amphitheatre Parkway, 1600

Mountain View, CA 94043

Prezado Sr. Pichai:

Escrevo em resposta ao seu depoimento na quarta-feira, 29 de julho, diante da Comissão do Judiciário da Câmara de Deputados dos EUA, em sua audiência sobre “Plataformas Online e Poder de Mercado, Parte 6: Examinando o Domínio da Amazon, Apple, Facebook, e Google”.

Respondendo a uma alegação do Deputado Greg Steube (Republicano da Flórida) de que os algoritmos online do Google estão censurando exclusivamente opiniões políticas conservadoras, você disse o seguinte: “Nós recebemos reclamações de todos os lados. Por exemplo, o World Socialist Review reclamou, em janeiro deste ano, que seu site não foi encontrado nos resultados de busca do Google. Portanto, recebemos reclamações, investigamos, mas abordamos nosso trabalho de forma não partidária, e é de nosso interesse a longo prazo servir os usuários em todo o país.”

Embora não tenha entrado em detalhes, sua declaração foi claramente uma referência a um artigo publicado em 20 de janeiro deste ano pelo World Socialist Web Site, intitulado “Google suprime conteúdo do World Socialist Web Site em seus resultados de busca para o Projeto 1619 do New York Times”. Está claro que a denúncia do WSWS foi discutida no mais alto nível de sua empresa.

O artigo de 20 de janeiro declarou que o Google estava eliminando de seus resultados de busca artigos muito populares publicados pelo World Socialist Web Site sobre a muito divulgada falsificação racialista da história dos EUA realizada pela New York Times Magazine através de “O Projeto 1619”.

Ressaltamos que a série histórica e original de artigos, entrevistas e análises publicadas pelo WSWS sobre o Projeto 1619 estava sendo lida por centenas de milhares de pessoas em todo o mundo e que havia um número crescente de backlinks para este material da rede social e de grandes publicações on-line, como o Wall Street Journal, Atlantic, National Review e Daily Signal. Entretanto, nas buscas pelo “Projeto 1619”, esse material estava sendo empurrado pelo Google para o fim da lista de seu resultado de busca.

Este não é a primeira denúncia de censura online do Google realizada pelo World Socialist Web Site. Em 25 de agosto de 2017, enviei uma carta aberta à diretoria executiva da Alphabet e do Google na época – você, Lawrence Page, Sergei Brin e Eric Schmidt – pedindo que o Google tirasse o World Socialist Web Site de sua lista negra do resultado de busca.

Desde então, o World Socialist Web Site publicou inúmeros artigos sobre o aumento da censura na internet, incluindo a supressão de ideias progressistas e socialistas em plataformas de rede social, e as crescentes exigências dos democratas e republicanos pelo controle governamental de informações on-line para supostamente combater as “fake news” e as alegações não fundamentadas de “interferência estrangeira”.

O fato de você se referir especificamente à denúncia do WSWS em seu depoimento à Câmara revela a seriedade com que o assunto foi tratado. Você, o CEO da empresa mãe do Google, Alphabet, foi informado sobre a denúncia. Seis meses depois que o artigo foi publicado, ele continuou presente em sua memória.

Seu depoimento não negou a acusação que fizemos de que o Google está suprimindo os artigos e análises do World Socialist Web Site nos resultados de busca. No contexto da audiência, sua referência enigmática ao fato de o Google estar trabalhando “de forma não partidária” pode ser interpretada como uma tentativa de justificar as práticas de censura de sua empresa, alegando que elas são realizadas tanto contra publicações na internet tanto de esquerda quanto de direita.

Além disso, você disse à comissão da Câmara, sob juramento, que quando o Google recebe uma queixa de censura, você “investiga o assunto”.

Se isso, de fato, é política da empresa, por que o World Socialist Web Site nunca foi informado de que sua denúncia de censura estava sendo discutida pela diretoria da Alphabet/Google, ou que uma investigação estava sendo realizada sobre nossa denúncia?

Portanto, solicito respostas para as seguintes perguntas:

- Quando começou a investigação sobre a denúncia de censura do WSWS?

- Quem autorizou e participou da investigação da empresa?

- Que departamento ou departamentos da empresa foram objeto da investigação?

- Ben Gomes, o vice-presidente da empresa responsável pelas operações de busca do Google, foi ouvido pela investigação?

- Quando a investigação foi concluída?

- Quais foram as conclusões probatórias desta investigação?

Aguardo sua resposta.

Atenciosamente,

David North

Presidente do Conselho Editorial Internacional

World Socialist Web Site